MOBILIDADE          


Nova fábrica de motores da Ford terá monitoramento online via Wi-Fi


Fonte: Telesintese

A Ford inaugurou hoje, em Camaçari, Bahia, a sua nova fábrica de motores. Com a presença de seus principais executivos e autoridades locais, incluindo o governador Jaques Wagner, o empreendimento foi saudado como promissor em vários aspectos, entre eles o fato de ser a primeira fábrica de motores no Nordeste e de responder por uma nova família de propulsores com três cilindros e tecnologia avançada para o segmento de veículos compactos. Mas a unidade fabril do motor 1.0 3C Duplo Comando Flex também trouxe novidades na inteligência da produção, com a instalação de uma rede Wi-Fi que responde pelo monitoramento online de praticamente todo o processo de fabricação, qualidade e identificação dos componentes.

A fábrica consumiu parte dos R$ 400 milhões destinados para o projeto do novo motor e agregou mais 300 funcionários ao complexo da Ford em Camaçari. Sua capacidade total é de 210 mil motores anuais e produz o bloco e o cabeçote usinados e faz a montagem final. Além do Brasil, também há fábricas desses equipamentos na China, Alemanha e Romênia.

Segundo Milton de Oliveira Gil, gerente da fábrica, 100 % dos equipamentos utilizados na produção estão conectados via Wi-Fi a uma central de gerenciamento. Isso permite que cada peça seja identificada e monitorada desde a sua chegada. "Trazemos blocos de alumínio da nossa fábrica de Taubaté, por exemplo, e eles já chegam com códigos de barra 2D, o QR Code, e entram no sistema imediatamente", comentou.

A partir da identificação, o sistema permite que cada peça possa ser rastreada, tanto durante o processo de fabricação quanto posteriormente, caso seja necessário. "Temos o histórico de cada etapa, os equipamentos utilizados e, inclusive, quem os manuseou", afirmou o executivo. Durante a produção, o monitoramento wireless posssibilita ainda a instalação de quatros eletrônicos de controles, com todos os dados de movimento dos equipamentos no pátio. "E temos atualização das informações a cada segundo", ressaltou.

De acordo com Gil, para atingir esse nível de monitoramento cada estação de trabalho possui uma antena wireless. Nos 24,5 mil metros quadrados da fábrica há 102 estações além de 26 pontos conectados na usinagem. Além de evitar um grande número de fios espalhados pela unidade, a rede gerou mais alcance e confiabilidade para o acompanhamento do processo. "É quase impossível dizer o quanto isso significou em termos de produtividade", ponderou o executivo.

O nível de automação da nova fábrica é alto. Ela trabalha com cerca de 40 robôs e carregadores automáticos de peças e seus 34 centros de usinagem são flexíveis. Ela está preparada para o diagnóstico remoto dos equipamentos e manutenção. "Se for preciso, elas podem ser avaliadas por um técnico de qualquer lugar do mundo", disse o gerente da fábrica.Como parte da estratégia de defeito zero, câmeras de alta definição foram instaladas para verificar o posicionamento correto das peças na montagem do motor.

O projeto da nova fábrica de motores começou a ser desenvolvido há mais de dois anos, um prazo também utilizado para a qualificação profissional. "Temos funcionários que estão conosco desde julho de 2012?, disse. A empresa construiu um novo centro de treinamento e consumiu mais de 380 mil horas para treinar as equipes . Para facilitar, a Ford decidiu fazer parcerias com o Senai, da Bahia, e com diversos fornecedores.

O motor 1.0 3C Duplo Comando Flex também traz inovações em sua área. "Ele é a nova referência em propulsores dessa cilindrada, com refinamentos que aumentam a eficiência com etanol e gasolina. Derivado do motor 1.0 EcoBoost, que gerou mais de 120 patentes mundiais, ele é o primeiro três cilindros flex da Ford e, além de ser o melhor da classe em potência e torque, também estará entre os melhores em economia de combustível", garantiu Steven Armstrong, presidente da Ford América do Sul.

Segundo Armstrong, os investimentos na nova fábrica são parte da promessa de aplicar R$ 4,5 bilhões no país até o próximo ano. Na sua avaliação, Camaçari mostrou, mais uma vez, que é um centro de excelência de engenharia para a empresa. E lembrou o desenvolvimento do EcoSport, o primeiro modelo global da Ford desenvolvido no Brasil.

Publicidades






 
                                                           
|
|
|
|
|